X
Menu
X

Pesquisa

Pesquisas e tecnologias para biorremediação de áreas contaminadas com creosoto

O creosoto é um contaminante que representa uma grande ameaça ao meio ambiente e a saúde humana, pois é constituído por uma mistura complexa de vários hidrocarbonetos com potenciais tóxicos, imunotóxicos, genotóxicos e cancerígenos. Assim, ambientes contaminados com esses compostos são prioritários à remediação, de acordo com as legislações ambientais vigentes.

A biorremediação é uma técnica que vem ganhando cada vez mais interesse e destaque para esse fim, por ser um processo natural, de baixo impacto ambiental, com melhor custo benefício e que pode levar à mineralização total dos contaminantes. Entretanto, uma série de fatores deve ser considerado para a implementação de projetos de biorremediação em ambientes contaminados com hidrocarbonetos. Os principais são a presença de microrganismos capazes de tolerar esses compostos, que possuam vias para a degradação dos mesmos e produzam biomoléculas capazes de aumentar a disponibilidade desses contaminantes.

Dentre as ferramentas usadas para atender esta demanda, as técnicas moleculares vêm complementando técnicas tradicionais de isolamento e cultivo de microrganismos com potenciais degradativos, se mostrando uma poderosa ferramenta para compreender de forma profunda as características das comunidades bacterianas nesses ambientes contaminados. Essas técnicas podem ser aplicadas ao estudo de praticamente todos os genomas microbianos nos mais variados ambientes e, consequentemente, no desenvolvimento de estratégias otimizadas para a biorremediação de ambientes contaminados, além da obtenção de novas biomoléculas a partir dos microrganismos degradadores, as quais são potencialmente exploráveis em diversas outras atividades.

Nesse contexto, a realização desse trabalho trará muitas contribuições para a área, uma vez que objetiva estudar o perfil da comunidade bacteriana de amostras de frações  líquidas e sólidas de aqüífero e sedimentos coletados em uma área contaminada com diferentes concentrações de creosoto, por meio de técnicas dependentes e independentes de cultivo  (Metataxonômica por Plataforma Illumina Miseq).  Em conjunto, essas técnicas permitirão evidenciar o efeito desse contaminante na alteração da estrutura da comunidade bacteriana dos pontos contaminados, conhecer os potenciais representado pelos grupos ali presentes em relação à degradação dos hidrocarbonetos, obter amostras dos microrganismos bons degradadores e, ainda, fornecer informações para orientar e favorecer o planejamento do projeto de biorremediação.

Financiamento: vale SA/ Fapemig

Coordenação: Vera Lúcia dos santos

Colaboradores:

ICB/UFMG

  • Dr. Ronaldo Nagen – professor Associado
  • Dra. Ubiana de Cássia Silva (doutoranda da UFMG)
  • Dra Aline D. Júlio ( (doutoranda da UFMG)
  • Ms Francisco (doutorando da UFMG)
  • Mayara Zolini de Brito (Biologa, pesquisadora IC)

Centro de Pesquisas René Rachou Fiocruz, Minas Gerais

  • Dr. Guilherme Oliveira
  • Dra. Sara Quadros Orellana
  • Dra. Laura Rabelo Leite

Microbiology Institute of the Czech Academy of Sciences, Prague

  • Daniel Kumazawa Morais

Conheça o que apresentamos em eventos científicos

ALAM 2016

Simpósio UFMG/2017